EPS é elemento-chave no retrofit da indústria multinacional Suominem

 em Notícias
Com mais de dez anos, as telhas metálicas do tipo ‘sanduíche’ do galpão industrial apresentavam inúmeros pontos de infiltração. O EPS assegurou a planicidade necessária para a instalação da manta de PVC

 

A cobertura da fábrica da Suominen Corporation – indústria multinacional de não tecidos para lenços umedecidos, produtos de higiene e aplicações médicas – acaba de passar por um amplo retrofit. Localizada em Paulínia (SP), a edificação foi coberta há mais de dez anos com telhas metálicas do tipo ‘sanduíche’. Desgastadas pelo tempo, apresentavam infiltração, o que exigia solução de engenharia que não interferisse na operação fabril. O uso do EPS foi decisivo e, ainda, garantiu conforto acústico e térmico ao ambiente.

De acordo com o engenheiro Rodrigo Ortolan, coordenador de Manutenção na Suominen Corporation, as obras foram realizadas entre abril e outubro de 2018 e envolveram os 8.410 m² de área total da cobertura.

PROJETO

O projeto de reforma foi desenvolvido pela EMC do Brasil, especialista em soluções para telhados. “Oferecemos à Suominen duas opções de impermeabilização: uma em manta termoplástica de poliolefina (TPO) e, outra, com pintura térmica. Ambas têm a vantagem de evitar a remoção das telhas, montar o canteiro de obras sobre a cobertura e não paralisar a operação fabril”, informa o engenheiro José Luiz Matos, gerente Comercial da EMC.

 

“O resultado é uma cobertura limpa, um pano monolítico sem emendas ou parafusos visíveis. Além disso, o EPS assegurou a ampliação do conforto térmico e acústico na fábrica”, José Luiz Matos

 

Segundo ele, a empresa optou por uma manta à base de PVC fornecida pela Soprema. Assim como a TPO, essa membrana exige a criação de uma superfície totalmente plana e lisa sobre o telhado existente. Essa planicidade é conseguida através da instalação de isolante térmico extremamente leve, para evitar sobrecarga nas telhas ‘sanduíche’. “Diante desse requisito, o poliestireno expandido (EPS) é o que melhor cumpre a função”, explica Matos.

A especificação do material fornecido pelo Grupo Isorecort, tanto dos tarugos como das placas, foi do tipo 5 F, com densidade mínima de 20kg/m³. A tipologia foi escolhida por conta da sua propriedade técnica de suportar o movimento dos instaladores transitando sobre o EPS, sem causar dano.

EXECUÇÃO

A cobertura original da empresa tem duas águas, com inclinação de 3%. Sobre as telhas ‘sanduíche’ foram instaladas duas camadas de EPS. A primeira, na forma de tarugos de EPS que preenchem as ondas baixas das telhas, com a função de calço. “A solução funciona como distribuição de carga, para evitar o rompimento da camada superior das placas de EPS, em decorrência do trânsito sobre elas”, afirma Matos. Já a sobrecamada gera a planicidade solicitada pela membrana de PVC.

“Utilizamos placas de EPS numa espessura de 25 mm para a camada superior e, para o calço, tarugos de 40 mm para atingir a altura maior da onda alta da telha ‘sanduíche’”, diz Matos. Os vazios das ondas baixas foram preenchidos com esses calços, num total de 82.440 peças nas medidas de 1000 x 98 x 40 mm, o equivalente a 323,16 m³. As placas de EPS foram instaladas sobre o telhado já preenchido, o que consumiu 5.820 placas com 2000 x 1000 x 25 mm, ou 291 m³.

 

“Não está mais entrando água pelos pontos onde tínhamos problemas anteriormente”, Rodrigo Ortolan

 

Os tarugos foram fixados mecanicamente, através de parafusos e arruelas, com distribuição da carga para evitar o efeito de arrancamento resultante da força de sucção do vento. A operação mecânica se repetiu na instalação das placas de EPS. “A diferença está apenas na geometria do EPS”, diz o gerente da EMC. Na sequência, foi aplicada a membrana de PVC – apresentada em rolos de 2,10 x 25 m –, aberta no sentido transversal à inclinação da cobertura. Em um dos lados, a manta foi fixada também por meio de parafusos e arruelas. Para finalizar, outra membrana é sobreposta à já instalada, para esconder todas as fixações. O acabamento é feito, no lado oposto, com solda com sopro de ar quente.

“O resultado é uma cobertura limpa, um pano monolítico sem emendas ou parafusos visíveis. Além disso, o EPS assegurou a ampliação do conforto térmico e acústico na fábrica. A estanqueidade buscada por esse retrofit foi total, inclusive já testada pelos temporais que ocorreram depois da obra finalizada”, comenta Matos, destacando que o poliestireno expandido recebe bem as membranas de PVC e TPO. “É uma combinação interessante”, diz.

Rodrigo Ortolan se diz satisfeito com o resultado. “Não está mais entrando água pelos pontos onde tínhamos problemas anteriormente”, constata. A relação com o Grupo Isorecort também agradou o gerente da empresa: “A negociação foi bem tranquila e o fornecimento como tem que ser em todos os projetos”.

Parceira de longa data em obras realizadas, a EMC não teve dúvidas em escolher o Grupo Isorecort para o fornecimento do EPS para esse projeto. “Além da qualidade do produto e da garantia de entrega conforme acordado, eles sempre nos apresentam preços competitivos, como ocorreu agora”, finaliza José Luiz Matos.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Fale Conosco

Entre em contato agora mesmo

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar